Estranha água-viva com uma cruz vermelha na barriga é descoberta em uma caldeira vulcânica no Japão

Estranha água-viva com uma cruz vermelha na barriga é descoberta em uma caldeira vulcânica no Japão

Compartilhe esta matéria...
Uma nova espécie de água-viva com uma cruz vermelha dentro do corpo translúcido só é encontrada na caldeira Sumisu, a mais de 762 metros abaixo da superfície do Oceano Pacífico.

Uma estranha água-viva nunca antes vista foi descoberta dentro de uma estrutura vulcânica na costa do Japão, com um estômago característico que parece uma cruz vermelha. Os pesquisadores descobriram a água-viva, que foi chamada de cruz de São Jorge ou água-viva cruzada de São Jorge (Santjordia pagesi), 812 metros abaixo da superfície do Oceano Pacífico, perto das ilhas Ogasawara, no Japão.

Momento em que o submersível guiado remotamente Hyperdolphin coleta o único exemplar da nova espécie presente em uma coleção
Momento em que o submersível guiado remotamente Hyperdolphin coleta o único exemplar da nova espécie presente em uma coleção.

Ele estava flutuando ao redor da caldeira Sumisu, um vulcão hidrotermicamente ativo de 10 km de largura situado em um arco vulcânico, ou cadeia de vulcões, conhecido como Anel de Fogo. A água-viva em forma de guarda-chuva tem cerca de 10 centímetros de diâmetro e é transparente, exceto por uma cruz vermelha brilhante, que é visível quando a criatura é vista de cima.

Foi visto poucas vezes

Uma espécie não descrita de medusa ulmarídeo foi observada in situ e capturada a 812 m de profundidade na Caldeira Sumisu, Ilhas Ogasawara, Japão.
Uma espécie não descrita de medusa ulmarídeo foi observada in situ e capturada a 812 m de profundidade na Caldeira Sumisu, Ilhas Ogasawara, Japão.

A água-viva é tão rara que só foi vista duas vezes. Foi visto pela primeira vez em 2002 por um veículo operado remotamente (ROV) durante um mergulho na caldeira Sumisu. No entanto, os investigadores não conseguiram descrever uma nova espécie com base num único espécime, pois poderia ser um indivíduo mutante pertencente a uma espécie já conhecida, de acordo com um comunicado da Agência Japonesa para Ciência e Tecnologia Marinha e Terrestre (JAMSTEC).

Em 2020, cientistas revisitaram a região e avistaram novamente a misteriosa água-viva. Embora não tenham conseguido coletar uma amostra, filmaram a água-viva nadando ao seu redor. Este segundo encontro permitiu-lhes descrever a água-viva como uma espécie única.

A equipe relatou suas descobertas em um estudo publicado em 20 de novembro de 2023 na revista Zootaxa.

Estranha forma de cruz

Os cientistas chamaram a água-viva de Santjordia pagesi por causa de seu estômago vermelho brilhante que lembra a Cruz de São Jorge.
Os cientistas chamaram a água-viva de Santjordia pagesi por causa de seu estômago vermelho brilhante que lembra a Cruz de São Jorge.

A forma incomum de cruz no centro de S. pagesi é o estômago da água-viva. A cor ajuda a esconder a água-viva e a comida que ela consome dos predadores em seu lar escuro e profundo. Grande parte da dieta desta criatura consiste em organismos bioluminescentes que brilham no escuro.

Ter a barriga vermelha diminui a luz que emitem, protegendo a água-viva dos predadores depois de ter comido. Os cientistas chamaram a água-viva de Santjordia pagesi por causa de seu estômago vermelho brilhante que lembra a Cruz de São Jorge.

De acordo com o comunicado, S. pagesi difere muito de seus parentes mais próximos, que incluem grandes águas-vivas de águas profundas, como Tiburonia greatrojo e a gigante água-viva fantasma Stygiomedusa gigantea.

Stygiomedusa gigantea, comumente conhecida como geleia fantasma gigante, é a única espécie do gênero monotípico de água-viva de águas profundas, Stygiomedusa.
Stygiomedusa gigantea, comumente conhecida como geleia fantasma gigante, é a única espécie do gênero monotípico de água-viva de águas profundas, Stygiomedusa.

A nova espécie é bem menor e, diferentemente de seus parentes, possui tentáculos e braços que utiliza para se alimentar. Devido às suas características incomuns, os pesquisadores acreditam que S. pagesi pode ter um tipo de veneno nunca antes visto que poderia ser usado em pesquisas genéticas, por exemplo, em medicamentos.

A caldeira onde vive a água-viva é rica em minerais e poderia ser explorada comercialmente para mineração em alto mar. Os pesquisadores publicaram informações sobre a água-viva para tentar proteger a área e sua vida marinha.



Sugerimos a leitura das seguintes matérias

Pesquisador mostra como um fungo comum remove mercúrio tóxico do solo e da água

Tubarão “cego” de 400 anos que vive no Ártico aparece nas águas do Caribe

Águas dos lagos “misteriosamente” ficaram vermelhas perto do Mar Morto, na Jordânia

A Bolha: Pode ser a causa de milhões de águas-vivas mortas



(a) Mapa detalhado do vulcão da caldeira Sumisu; este complexo de centros inclui o edifício principal da caldeira e colinas menores a oeste e noroeste. As setas numeradas são locais (D1-D8) dragados em 2002. (b) Fotografia do lado leste da Ilha Sumisu, que tem 270 m de comprimento e 136 m de altura.
(a) Mapa detalhado do vulcão da caldeira Sumisu; este complexo de centros inclui o edifício principal da caldeira e colinas menores a oeste e noroeste. As setas numeradas são locais (D1-D8) dragados em 2002. (b) Fotografia do lado leste da Ilha Sumisu, que tem 270 m de comprimento e 136 m de altura.

André Morandini, professor de zoologia do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo e integrante da equipe de pesquisa, disse em comunicado:

“Talvez contenha segredos mais valiosos do que todas as riquezas minerais que poderiam ser extraídas daquele local. Tudo isso com a vantagem de manter intactas a espécie e o local.”

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…

Convidamos você a nos seguir em nossa página no Facebook, para ficar por dentro de todas as novidades que publicamos:

A Chave dos Mistérios Ocultos(clique ou toque para abrir)


Descubra mais sobre A Chave dos Mistérios Ocultos

Subscribe to get the latest posts sent to your email.

A Chave dos Mistérios Ocultos
Curiosidades

Deixe um Comentário