Impressões visuais distorcem nossa percepção do tempo.

As impressões visuais distorcem nossa percepção do tempo

Compartilhe esta matéria...
A mais recente pesquisa conduzida por cientistas da Universidade George Mason, na Virgínia, lança uma nova luz sobre como o nosso cérebro processa a informação visual e como isso afeta o nosso sentido subjetivo do tempo.

Os resultados, publicados na renomada revista Nature Human Behavior, sugerem que fatores como o tamanho da cena ou o nível de detalhe da imagem podem distorcer significativamente a nossa percepção da passagem do tempo. A equipe de pesquisa conduziu três experimentos para entender como diferentes aspectos visuais influenciam a percepção do tempo pelas pessoas.

Nos dois primeiros experimentos, os participantes visualizaram imagens que diferiam em tamanho e detalhes da cena.

As impressões visuais distorcem nossa percepção do tempo.
Imagem ilustrativa. — Crédito: IA-A Chave dos Mistérios Ocultos.

As imagens foram exibidas por períodos variáveis ​​de tempo, de 0,3 a 0,9 segundos, e os participantes as classificaram como “curtas” ou “longas” dependendo de suas impressões. Os resultados desses testes foram claros. Imagens em grande escala fizeram com que os participantes as percebessem como duradouras, enquanto detalhes ricos criavam a impressão de duração mais curta.

Isto sugere que o nosso cérebro pode estar mais preocupado em processar informações detalhadas, levando a uma redução subjetiva no tempo percebido.

No terceiro experimento, os pesquisadores se concentraram na lembrança de imagens.

As impressões visuais distorcem nossa percepção do tempo.
Imagem ilustrativa. — Crédito: IA-A Chave dos Mistérios Ocultos.

Os participantes visualizaram imagens que diferiam em termos de facilidade de lembrança, e descobriram que aquelas que eram mais fáceis de lembrar aumentaram a sensação de duração do tempo.

Esses resultados foram confirmados pela modelagem por meio de uma rede neural, que mostrou que o cérebro processa imagens mais fáceis de lembrar com mais rapidez, o que por sua vez afeta a sensação subjetiva do tempo.

Segundo os cientistas, os resultados desta pesquisa têm amplas aplicações práticas.

Os mecanismos por trás desses fenômenos estão relacionados à forma como nosso cérebro processa e codifica informações.
Imagem ilustrativa. — Crédito: IA-A Chave dos Mistérios Ocultos.

Nas áreas de design de interface de usuário, publicidade ou desenvolvimento de videogames, compreender como diferentes elementos visuais influenciam a percepção do tempo pode levar a experiências de usuário mais envolventes e eficazes. Por exemplo, na publicidade, imagens mais curtas, mas mais detalhadas, podem ser usadas para transmitir informações rápidas e memoráveis, enquanto cenas maiores e menos detalhadas podem ser usadas para criar a impressão de maior duração.

Nos videogames, os desenvolvedores podem manipular o tamanho e os detalhes das cenas para controlar o ritmo do jogo e aumentar o envolvimento do jogador.

Os mecanismos por trás desses fenômenos estão relacionados à forma como nosso cérebro processa e codifica informações.

Nas áreas de design de interface de usuário, publicidade ou desenvolvimento de videogames
Imagem ilustrativa. — Crédito: IA-A Chave dos Mistérios Ocultos.

O processamento de grandes quantidades de dados visuais detalhados requer mais atividade neural, o que pode levar à sensação de que o tempo passa mais rápido. Em contraste, cenas maiores que não são tão detalhadas podem ser processadas de forma mais rápida e eficiente, fazendo com que pareçam durar mais tempo.

Esta pesquisa se enquadra no contexto mais amplo da pesquisa sobre percepção do tempo e processamento de informação visual.



Sugerimos a leitura das seguintes matérias

Cientistas descobriram uma maneira totalmente nova de medir o tempo

Cientistas alcançam um ‘salto quântico no Tempo’: A luz se move para frente e para trás no tempo

Físicos encontraram evidências de outro mundo sendo “inserido” em nosso universo, que volta no tempo

O estranho mistério do cubo do tempo



Os mecanismos por trás desses fenômenos estão relacionados à forma como nosso cérebro processa e codifica informações.
Imagem ilustrativa. — Crédito: IA-A Chave dos Mistérios Ocultos.

Pesquisas anteriores também mostraram que a nossa percepção do tempo pode ser distorcida por fatores como emoções, atenção e contexto situacional. As últimas descobertas de cientistas da Universidade George Mason fornecem informações novas e importantes sobre como nosso cérebro processa informações visuais e como isso afeta nosso senso subjetivo de tempo.

Esta pesquisa tem aplicações práticas potencialmente amplas, especialmente em áreas como design de interface, publicidade e desenvolvimento de videogames.

Uma melhor compreensão destes mecanismos pode levar à criação de experiências visuais mais envolventes e eficazes.

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…

Convidamos você a nos seguir em nossa página no Facebook, para ficar por dentro de todas as novidades que publicamos:

A Chave dos Mistérios Ocultos(clique ou toque para abrir)


Descubra mais sobre A Chave dos Mistérios Ocultos

Subscribe to get the latest posts sent to your email.

Andressa Dal Paz Balbinot
Notícias

Deixe um Comentário